terça-feira, 20 de maio de 2008

Em clima combativo, militantes do PSOL elegem Diretório de Salvador

Foi um dia de animação, combatividade e unidade no PSOL de Salvador. No último sábado, dia 17 de maio, foi realizado o seu primeiro encontro municipal.

O Encontro aprovou resoluções políticas mais gerais, uma plataforma de lutas e uma política de organização municipal, que visam fazer avançar a presença política do partido na cidade, assim como sua participação ativa nos movimentos sociais.

Foi eleito também o Diretório Municipal (DM) e sua executiva. Foi definido ainda o processo que vai escolher o candidato a prefeito, vereadores, o programa e a estratégia para a campanha eleitoral. Para prefeito, foram inscritos dois pré-candidatos.

Dos delegados credenciados, 39% se identificavam com a corrente nacional APS (Ação Popular Socialista), 37% com o coletivo regional Resistência Socialista, 22% com o MES (Movimento de Esquerda Socialista) e 2% com o coletivo Horizonte Vermelho (HV).

Para as resoluções, foram votadas duas teses: uma que unificou as propostas da APS, RS e HV obteve 77% dos votos, enquanto a defendida pelo MES teve 23%.

A direção foi eleita em chapa única e a Executiva Municipal ficou composta por 3 membros da APS, 3 da RS e 1 do MES. O DM por 6 da APS, 6 da RS e 3 do MES. O presidente do DM é Carlos França, do MES. Isto ocorreu porque, mesmo com esta correlação de forças, os delegados presentes respeitaram um acordo prévio feito quando houve a eleição da direção estadual do partido. Naquela ocasião, foi definida uma direção estadual também formada por uma maioria entre RS e APS, tendo como presidente Marcos Mendes, o Marcão, da RS.

O encontro aprovou, também consensualmente, o processo que vai levar às decisões referentes às eleições municipais, num novo encontro que será realizado em 8 de junho.

Dois pré-candidatos foram inscritos: o sindicalista Carlos França (MES) e o militante de movimentos sociais e historiador Hilton Coelho (APS), que foi o candidato a governador da Frente de Esquerda (PSOL-PSTU-PCB) em 2006, numa combativa campanha, que teve importantes saldos políticos. Segundo os comentários no encontro, se a decisão fosse tomada naquele momento, provavelmente Hilton Coelho contaria com cerca de 2/3 dos votos.

Para encontro do dia 8 de junho, os delegados já eleitos terão direito de voto. Mas, até o dia 1º de junho, todos os núcleos poderão convocar novas reuniões para ampliar suas delegações.

O clima final do encontro foi de unidade. Todas as decisões foram tomadas por consenso, exceto a votação das teses. Isto se refletiu na chapa única e nas palavras de ordem de "Sou do PSOL, não abro mão, do socialismo e da revolução".

Para Hilton Coelho, “o encontro deixou evidente a vocação do PSOL para cumprir em Salvador o papel de espaço de debate crítico e articulação para uma ação política que relacione os problemas locais com as grandes questões do país, num momento em que a carência de tais espaços é enorme”.

2 comentários:

Gilberto disse...

Devia explicar melhor quem é esse Carlos França, que ninguém sabe. Mas espero que Hilton Coelho seja o candidato. No PT não voto mais e nos outros nem se fala. Nunca vi tanta negociata antes de uma eleição como neste ano em Salvador. E depois de 4 anos desta prefeitura de PDT, PT PSB e PSDB e PC DO B, Salvador continua a campeã do desemprego no Brasil.Se o PSOL não lançasse candidato em preferia votar até naquele carequinha do PCO.

BELLA disse...

E AS PRÉ-CANDIDATURAS PARA VEREADORES QUANDO OCORRERÁ?
SOU A ISABELLA PACHECO E VENHO LUTANDO JÁ HÁ MAIS DE CINCO ANOS EM PROL DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS E IDOSOS E GOSTARIA DE CHAMAR A ATENÇÃO DOS COMPANHEIROS PARA O FATO DO SENHOR AGENOR GORDILHO TER SUSPENDIDO NOSSOS PASSES...PORQUÊ?
VAMOS A LUTA COMPANHEIROS E CONTO COM TODOS...ESTIVE NA ULTIMA PLENÁRIA DO PSOL E FIQUEI MUITO FELIZ COM OS DEBATES LÁ APRESENTADOS.
E ALUTA CONTINUA!!!!
ISABELLA PACHECO/EXECUTIVA-PSO/BA